O escritório F.Costa & Antonia A.
visa proporcionar soluções jurídicas preventivas e TI o qual atendam adequadamente aos interesses de seus clientes, propomos alternativas preventivas com avaliação percuciente de riscos, orientação clara ao cliente através de experiência multifuncional adquirida ao longo do tempo.

Sempre atento, nosso escritório centraliza esforços numa atuação preventiva, estruturando negócios e contratos, sob as mais variadas formas jurídicas e informacionais, com o objetivo fundamental de garantir segurança a seus parceiros, propiciando agilidade e certeza no processo decisório.

Com atendimento personalizado e acessibilidade facil, o escritório atende perfis diferenciados no que concerne a pessoas físicas e jurídicas, respeitando as peculiaridades e buscando satisfazer às expectativas diferentes de cada uma delas.
  • Cível: reparação de danos, revisional de contratos e outros
  • Empresarial: Registro de Marcas no INPI, Trabalhista
  • Família: Divorcio, Alimentos
  • Sucessões: Inventários, Alvarás
  • Consultoria preventiva com parecer jurídico
  • GED - Gestão Eletrônica de Documentos (especificamente em birô de digitalização e indexação de documentos)
  • Toda a solução em GED é voltada em propor a melhor solução para o cliente
  • Consultoria em TI (Hardware e Software)
Textos do Blog

LIDERANÇA DISTRIBUÍDA e AUTONOMIA ARTICULADA: (Conceituação e prática num ambiente de mudança organizacional e institucional)


Lourival Aguiar (Zito)*

A literatura existente sobre liderança, ainda que profusa e profícua, está longe de esgotar o assunto. Os enfoques são os mais variados, tanto nos compêndios de Sociologia, de Psicologia, como nos de Ciência Política e de Administração, entre outros.


Não menos extensa também é a bibliografia existente sobre as organizações, de todos os tipos, finalidades e tamanhos, num constante evoluir de conceitos e estratégias operacionais.
Nossa intenção aqui, longe de pretender fazer panerai luminor power reserve replica um trabalho teórico de fôlego, é tão somente a de identificar traços importantes de uma estratégia de gestão – ou de liderança - (política, inclusive) de grupos em processos de desenvolvimento institucional, considerando o ambiente interno e externo das organizações, cada vez mais pressionado pelo acelerado processo globalizado de mudança social que temos atualmente observado.


Esse processo, se de um lado está concentrando mais e mais a renda, a propriedade e a hegemonia do capital financeiro, por outro está gerando um lento mas profundo processo contra-hegemônico na sociedade civil, consubstanciado nos fóruns e redes, por sua vez compostos de organizações que se articulam em cima de consensos mobilizadores, sem perderem sua autonomia, criando a base para o florescimento do conceito e da prática da liderança distribuída e da autonomia articulada, das quais desejamos aqui tratar.. 


Uma maneira bem simples e prática de entendermos o conceito de liderança seria a de percebê-la como a capacidade que os membros de um grupo têm de propor – e conseguir - que os demais façam o que eles propuseram, tanto para a formulação como para o atendimento dos objetivos do grupo, ou o processo pelo qual essas proposições se constróem e se executam.
Vale lembrar, já aqui nesse início de abordagem, que, ao tentarmos formular um conceito, sempre nos valemos de outros conceitos, na esperança de que o interlocutor, já familiarizado com eles, possa entender o novo conceito que estamos tentando apresentar.


Aqui estamos desejando que esse interlocutor tenha o conceito de grupo como sendo a formação de pessoas que, tendo basicamente as mesmas necessidades, interesses ou expectativas, tomam a iniciativa de se articularem, em interação, na consecução de seus objetivos, fixados em comum acordo, por intuitivamente perceberem que assim poderão melhor vencer as barreiras que os separam de seus objetivos, podendo enfim ter mais sucesso do que tentando isoladamente essa consecução.
É também interessante e oportuno recuperar aqui o conceito de interação, como sendo a ação recíproca entre os membros de um grupo, formada pelos processos sociais de assimilação, acomodação, competição e conflito, intra e inter grupal.


A assimilação dar-se-ia quando a pessoa assume inteiramente high quality replica watches para si, se identifica completamente ou incorpora a ideia ou o conceito do grupo, ou de algum membro dele. A acomodação já ocorreria quando a pessoa não concorda inteiramente com a idéia, mas estaria assim mesmo disposta a seguí-la sem questionar, sem romper com o grupo. A competição já implicaria em contrapropor alternativa a iniciativa de outrem ou continuar defendendo a sua própria, mesmo diante do surgimento de uma proposta ou comando alternativo ou contrário dentro do grupo. Chamaríamos de conflito a uma exacerbação, radicalização ou intensificação da competição, podendo resultar daí tanto um salto de qualidade positivo quanto uma cisão interna ou até mesmo a extinção do grupo.


Continuando esse ”esforço terminológico” vamos tentar consensuar simplesmente que organização seria tanto o processo como o resultado da maneira como os grupos se articulam para a consecução de seus objetivos, interagindo com outras organizações que também perseguem objetivos, semelhantes ou não aos seus, conflitantes ou não com os seus.


Para terminar esse momento conceitual, poderíamos ver o significado da palavra autonomia, que seria a capacidade de ter energia própria suficiente, ter “alma” ou “ânimo” para refazer-se, recriar-se e se desenvolver de moto próprio.
Agora chegamos à idéia central que queremos desenvolver nesse momento, qual seja a de demonstrar a necessidade imperiosa atual de politicamente agregar o adjetivo articulada a essa autonomia. Na verdade, se é bem certo que precisamos muito preservar, desenvolver e fortalecer a autonomia das organizações, não é menos verdade que autonomia total, enquanto conceito radical puro, na prática, não existe. Qualquer grupo ou organização, dialética ou até paradoxalmente, precisa interagir com outros grupos ou organizações para nesse processo construir ou exercitar a própria identidade, a própria autonomia.


Na atual conjuntura político–organizativa onde atuamos, esse processo já se desenvolve objetivamente. O que precisamos é entendê-lo e aperfeiçoá-lo.


Todo esse processo é muito rico e, por assim dizer, progressista, democrático, moderno e político-profissional, comportando ainda certamente outros bons adjetivos.


Uma das expressões concretas disso pode ser observada com a evolução do conceito de desenvolvimento institucional, que tem passado a levar mais em conta o grau de interação aberta e direta entre os vários “níveis internos” da organização com seus públicos externos, sem passar necessariamente pelos seus dirigentes, promovendo uma distribuição crescente de iniciativas de ação e consequentemente de liderança entre um número cada vez maior de seus membros. Tal comportamento, além de empoderar e fortalecer a organização como um todo, de quebra, contribui decisiva e positivamente com o processo de sucessão de seus líderes, maiores ou menores. É claro que também pressupõe (e viabiliza) uma gestão mais compartilhada, num ambiente (interno e externo) propício a que seus membros fiquem cada vez mais capacitados para - e comprometidos com - a missão, os valores e os objetivos de sua respectiva organização.


Na verdade, a riqueza desse processo pode ser melhor tag heuer monaco replica compreendida e acompanhada se visualizarmos a organização, digamos,  tradicional, elegendo aqui simplificada e caricaturalmente somente três das suas características básicas, quais sejam, a de ser autocrática, patriarcal e paternalista, em  contraposição a organização moderna, de gestão compartilhada, profissionalizada, participativa, com maior equidade de gênero, e que agora estamos observando que ela tende a ter cada vez mais um sistema de liderança distribuída.


Embora não seja objeto específico deste texto, não deixemos entretanto de lembrar e relativizar aqui a permanência da necessidade que toda organização tem de consolidar -ainda que em processo de equilíbrio dinâmico - o poder de sua liderança, formal ou não, tanto dentro como fora dela. Isso quer dizer que a disciplina e a hierarquia, ainda que bem flexíveis, relativizadas e circunstanciadas, não podem deixar de existir, sob pena da organização deixar se esvair sua capacidade de ação eficaz.


Também é importante considerar que as organizações “reais” com as quais ainda lidamos hoje, têm dentro delas quase sempre características ou elementos da organização tradicional (autoritária, patriarcal e paternalista) combinados (ou conflituados), de diversas formas, e em diversos níveis, com características das organizações modernas (gestão compartilhada, profissionalizada, participativa e com maior equidade de gênero). Uma boa estratégia de gestão seria a que agilizasse esse processo de evolução dos elementos ou características predominantes na organização “tradicional” para os predominantes na organização “moderna”, como a estamos chamando aqui. 


Objetivando facilitar a visualização dessas características, apresentamos a seguir um quadro esquemático delas:

 

Organização Tradicional / Conservadora

Organização Moderna / Progressista

Pesada e lenta

Leve e ágil

Burocratizada

Desburocratizada

Ideias de estrutura, “hierarquia”, centralização, acomodação, inibição, medo, ressentimentos, machismo, empoderamento dos donos, prepostos ou pelegos

Ideias de rede, articulação, liderança distribuída, equidade de gênero, com empoderamento de todas/os

Autocrática

Profissionalizada e participativa.

Paternalista

Autogestionária

Competitiva e individualista (centrada no poder pessoal)

Solidária e cooperativa (centrada nos objetivos)

Negociação (perde – ganha)

Negociação (ganha – ganha)

Como evoluir com as características tradicionais de nossas organizações e construir novos comportamentos mais adequados à modernidade democrática?

 

Por fim, uma idéia, uma consígnia, para a “durabilidade”, a permanência e a sucessão dentro das organizações: manter a essência, o núcleo, e incorporar a mudança.
A organização precisa manter o essencial de sua missão, de seus valores, suas crenças, de sua visão compartilhada de futuro. Numa palavra, de sua utopia. Mas, dialeticamente, precisa incorporar elementos de mudança da realidade onde atua e de onde se alimenta, refazendo constantemente sua síntese, na busca perene da sua utopia. 

 

*Lourival Aguiar (Zito), é graduado em Administração de Empresas e Administração Pública pela UECE, associado e conselheiro fiscal do Instituto Sinergia Social.







institutosinergiasocial@gmail.com

© 2013 - Instituto Sinergia Social. Todos direitos reservados.